Atendimento 24h (53) 3225.9330

IBGE e Conab estimam aumento na produção de grãos no Brasil

Postada por Notícias Agrícolas em 11/04/2019

Produção de grãos cresce 3,4% e chega a 235,3 milhões de toneladas


Com uma variação positiva de 3,4% em relação à safra passada e um aumento de 7,7 milhões de toneladas, a produção de grãos no Brasil no período 2018/2019 deve alcançar 235,3 milhões de toneladas. A marca de segunda maior da série histórica pode ocorrer, caso confirme o estudo realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Os dados são do 7º levantamento divulgado nesta quinta-feira (11).


Soja, milho, arroz e algodão apresentam-se como as principais culturas produzidas no país, representando 94,5% da safra. O aumento de área dessas culturas, com exceção do arroz, contribuíram para a elevação de 2,1% em relação à safra anterior, chegando à marca de 63 milhões de hectares. Quanto à produção, a soja é estimada em 113,8 milhões de toneladas, podendo alcançar o título de terceira maior safra da série histórica, mesmo com uma redução de 4,6% frente à safra anterior, que foi até agora o maior recorde. A área plantada da soja nesta safra cresceu 1,8%, correspondendo ao plantio de 35 milhões de hectares.


O que também contribuiu muito para o bom desempenho da safra atual foi a melhora da produção de milho na segunda safra. A colheita prevista do milho total em 94 milhões de toneladas representa aumento de 16,5% comparado à última safra, com a ajuda do milho segunda safra, que registra cerca de 68,1 milhões de toneladas.

Para o superintendente de Informações do Agronegócios da Conab, Cleverton Santana, o resultado tem como aliado o aumento de área.“Enquanto o milho primeira safra perdeu espaço para feijão, cana-de-açúcar e pastagens, o outro foi favorecido pela antecipação da colheita da soja e pela possibilidade do aproveitamento integral da janela climática, criando a expectativa de bons rendimentos na lavoura”, enfatiza. “A área do primeira safra sofreu uma redução de 1,3%, mas o da segunda cresceu 6,1% referente ao período anterior”, completa.


Em relação a outras culturas, o algodão em pluma pode alcançar 2,6 milhões de toneladas, com uma elevação de cerca de 32% frente à safra 2017/18, e com acréscimo de 35% na área plantada, chegando a 1,17 milhão de hectares. Já o arroz registrou uma produção de 10,7 milhões de toneladas, com queda de 11,7% na área, que também sofreu redução de 13,5%.


Estimativa para safra de grãos de 2019 cresce e atinge 230,1 milhões de toneladas


A terceira estimativa para safra de grãos de 2019 indicou produção de 230,1 milhões de toneladas, 1,6% maior que a do ano passado (mais 3,6 milhões de toneladas) e 0,6% maior que a previsão de fevereiro (mais 1,3 milhão de toneladas). A previsão da área colhida deve crescer 2,3% frente a 2018, somando 62,3 milhões de hectares. Os dados são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje pelo IBGE.


A previsão para a safra de 2019 é de que esta seja a segunda maior da série histórica do levantamento, atrás apenas de 2017, com 238,3 milhões de toneladas. A melhora na estimativa de março é fruto do otimismo em relação à segunda safra do milho e ao algodão, que deve ter produção recorde neste ano, de 6,2 milhões de toneladas.



“A soja caiu um pouco em consequência ainda do mau tempo no final do ano passado, mas a segunda safra do milho está crescendo 6,7% em relação a 2018, porque o clima está ajudando. Por ter começado a chover antes do habitual, o ano agrícola permitiu o plantio da soja mais cedo e abriu a janela de plantio para a segunda safra do milho”, explica o gerente do LSPA, Carlos Antônio Barradas.


Segundo Barradas, o bom desempenho do algodão está relacionado ao preço do produto, que está em alta no mercado. “A produção cresceu 12,2% em relação ao mês anterior. A estimativa é o recorde da série do IBGE para esse produto. O produtor ganhou dinheiro com o algodão no ano passado, porque estava com um bom preço, por isso ele decidiu investir novamente neste ano”, diz.


Mesmo já em um alto patamar, a safra deste ano pode ter novos aumentos em sua previsão se o clima contribuir nos próximos meses. “Daqui para frente, o total da safra vai depender do clima em relação à segunda safra do milho e à safra de inverno, com o trigo. Se a chuva firmar, ainda podemos ter uma produção maior”, complementa.


O arroz (10,5 milhões de toneladas), o milho (25,7 milhões de toneladas na primeira safra e 65,4 milhões de toneladas na segunda safra) e a soja (112,5 milhões de toneladas) são os três principais itens da produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas, com 93,1% da safra esperada para 2019 e 87,2% da área a ser colhida.


Entre as grandes regiões, o Centro-Oeste, com 44,4%, deve responder pela maior participação na produção de grãos neste ano, seguido por Sul, 33,5%; Sudeste, 9,5%; Nordeste, 8,2%; e Norte, 3,9%. O Mato Grosso lidera entre os estados, devendo responder por 27% da safra.