• comercial18125

Após a pandemia, consumo doméstico de arroz cresceu e alcançou as exportações

O presidente da Cooperativa de Comercialización y Transformación Arroceros Villa Elisa Ltda., Gustavo Francou, afirmou que desde a pandemia de Covid-19 o consumo interno de arroz na Argentina se igualou às exportações. Em diálogo com a ANSOL, Francou destacou: "Acreditamos que continuará por alguns anos. O mercado asiático não é tão exigente, por isso estamos visando países vizinhos e outros da América Latina como Peru, Costa Rica e México. A tendência da pandemia é essa: o crescimento do mercado interno, tanto para o consumo das famílias quanto para as compras do Estado", frisou. A cooperativa de arrozeiros Villa Elisa está associada à Federación de Cooperativas Federadas Ltda. (Fecofe), e sua atividade principal é a semeadura e colheita de variedades de arroz longo fino, longo largo e aromático; bem como a produção de farinha de arroz e alimentos balanceados. Parte dessa produção de arroz beneficiado é exportada para mais de 25 países da África, Europa, América e Ásia. Tendências e necessidades

“Para a nossa cooperativa, e para o setor em geral, a pandemia Covid-19 não nos trouxe grandes transtornos, pois é uma atividade que nunca deixou de ser permitida devido à sua relação com a produção de alimentos, somada ao aumento da demanda para o arroz, e o aumento dos preços pagos por esse produto”, explicou Francou. No entanto, o investimento era difícil há quatro anos. “A falta de empréstimos moderadamente brandos em todos os níveis impossibilita, com a taxa de juros que temos praticado, tomar empréstimos para investimento”, acrescentou o presidente da cooperativa de arroz. Além disso, expressou a necessidade de "créditos para capital de giro porque atendemos nossos produtores e quem mais precisa desde o minuto zero de produção com insumos e assistência técnica para o desenvolvimento da implantação e irrigação do arroz, que tem um alto custo custo”, embora tenha destacado os auxílios ao crédito do Inaes e do Ministério da Agricultura - bem como o acordo com sociedades mútuas - por serem mais baratos que o crédito bancário. Francou destacou, entre as tendências visíveis do setor, que a produção está se deslocando para a província de Corrientes, onde a irrigação e a energia são mais baratas, e que os pequenos produtores tendem a desaparecer, já que «hoje quase 80% do arroz do país é produzido por empresas e moinhos de arroz . Arroz na Argentina

Atualmente, são cultivados cerca de 190 mil hectares, com resultado de uma colheita em torno de 1,25 a 1,3 milhão de toneladas e um consumo interno de 600 a 650 mil toneladas por ano.

La producción nacional se centra en la región del Litoral, en las provincias de Corrientes, Santa Fe, Chaco, Formosa, Misiones y Entre Ríos, y afecta a 30 mil puestos de trabajo directos que, sumados a los indirectos, pueden alcanzar el medio 200 mil pessoas. Embora a Argentina não esteja entre os maiores produtores e consumidores, como é o caso de países asiáticos como China e Índia, nos últimos anos houve um aumento da participação do país no mercado de arroz. Fatos sobre arroz

O arroz faz parte da base alimentar da população, essencial pelo aporte de vitaminas e minerais. Seu cultivo é milenar, estabelecendo uma origem estimada há 7.000 anos. Veio da Índia e da América para o Ocidente durante a época colonial, entrando em nosso país no século XVII. Nesta região, a semeadura começa entre setembro e agosto e a colheita vai de janeiro a março. É, junto com o milho e o trigo, um dos cereais mais cultivados do mundo.


Fonte:Planeta Arroz



2 visualizações0 comentário

Política de Privacidade

Endereço:

Rua: Sete de Setembro, 274

Sala CJ 501 Centro - Pelotas/RS
CEP 96015-300

Telefones:

(53) 3225-9330

(53) 3225-5621

(53) 9811-20578

E-Mail:

Cereagro 2020 -  Todos os direitos reservados