• comercial18125

Preços da soja: clima nos EUA pode mexer com mercado nesta semana

A nova safra de soja que será implementada nos Estados Unidos entra no radar do mercado para a próxima semana. O clima que antes era preocupação para as lavouras da América do Sul, também passa a ser um fato relevante para os produtores norte-americanos.

Acompanhe abaixo os fatos que deverão merecer a atenção do mercado de soja na semana que vem. As dicas são do analista da consultoria Safras & Mercado Luiz Fernando Gutierrez Roque:

  • Os players do mercado da soja dividem sua atenção entre o clima para o início dos trabalhos de plantio da nova safra norte-americana, movimentos da demanda chinesa no mercado internacional e o avanço da colheita na Argentina;

  • A entrada da nova safra brasileira e notícias sobre a peste suína africana na China completam o quadro de fatores;

  • O clima sobre o cinturão produtor norte-americano ganha, a cada dia, mais força como fator. Enquanto o plantio da nova safra de soja deve começar na última semana de abril, a semeadura do milho já evolui;

  • O clima tem sido bastante favorável para a evolução dos trabalhos e para o desenvolvimento inicial das lavouras já semeadas, não havendo falta ou excesso de umidade nos principais estados produtores. As previsões apontam para a manutenção desse quadro nas próximas duas semanas, o que deverá favorecer o início do plantio da soja;

  • O grande ponto é que uma boa evolução do plantio de milho nas próximas semanas aumenta a possibilidade de haver transferências de áreas de soja para o cereal, visto a tendência de que os trabalhos de milho ocorram dentro da janela ideal;

  • Caso o clima piore e ocorram atrasos no milho, é possível que aconteça o contrário: transferências de área do cereal para a oleaginosa. Esse ponto será fundamental para saber qual o verdadeiro potencial da safra norte-americana de soja;

  • No Brasil, os trabalhos de colheita entram na reta final sem grandes problemas. Há registro de grandes produtividades médias na maioria dos estados, o que garante uma safra brasileira cheia e recorde;

  • Na Argentina, o clima mais úmido da última semana atrapalhou a evolução dos trabalhos, que permanecem atrasados frente à média. As previsões apontam para mais uma semana de clima úmido, o que deve continuar atrapalhando a evolução das máquinas nas principais províncias. A safra argentina ainda não está definida, e as perdas ainda podem aumentar.

Fonte: Canal Rural





2 visualizações0 comentário