• comercial18125

Preços mundiais do arroz em alta dentro de um mercado mais ativo

Em novembro, os preços mundiais do arroz aumentaram dentro de um mercado mais animado, principalmente graças às novas demandas de importação da China, Filipinas e Bangladesh. Este último, afetado pelas más condições climáticas na época da colheita em agosto, faria um retorno significativo ao mercado de importação em 2021, após dois anos de ausência. Essas novas demandas tendem a reforçar os preços, especialmente no Vietnã, onde a oferta é fraca.

A Índia, por outro lado, continua a exportar massivamente e é o principal beneficiário da retomada da demanda de importação. Os perdedores do dinamismo comercial da Índia são a Tailândia e o Vietnã, que verão suas vendas externas caírem este ano cerca de 30% e 15%, respectivamente. A Tailândia recuaria para o terceiro lugar do ranking mundial, atrás do Vietnã pela primeira vez em sua história.

Os preços mundiais devem terminar o ano sob pressão como resultado da baixa disponibilidade exportável, à espera da chegada da nova colheita asiática dentro de algumas semanas, e que deve continuar durante o primeiro trimestre de 2021. As perspectivas para a produção global 2020/2021 são boas e indicam um aumento de 1,5% graças à extensão das áreas de arroz, especialmente na China e na Índia.

O comércio mundial, estável este ano, deve apontar para um aumento acentuado em 2021 de 7% para 48 Mt devido ao aumento da demanda de importação no sudeste da África e na África subsaariana. Em novembro, o índice OSIRIZ/InfoArroz (IPO) subiu 4,3 pontos para 224,3 pontos (base 100 = janeiro de 2000) contra 220,0 pontos em outubro.

No início de dezembro, o índice IPO mantinha-se firme em 227 pontos, influenciado pela revalorização das moedas asiáticas em relação ao dólar e a disponibilidade exportável ainda baixa.


Produção mundial


De acordo com as últimas estimativas da FAO, a produção global em 2019 foi de 754,7 milhões de toneladas (501,1 Mt base beneficiado), uma queda de 1% em relação a 2018. Em 2020, apesar das dificuldades em relação à pandemia do Covid-19 e das más condições climáticas no meio do ano, as projeções de produção indicam uma recuperação de 1,5% para 765,7 Mt (508,4 Mt de arroz beneficiado).

O principal aumento será visto na Ásia graças a uma extensão das áreas plantadas, especialmente na China e na Índia. Na Tailândia, a produção deve aumentar, mas menos do que o esperado por causa da seca que afetou a segunda safra até meados do ano. Uma melhora foi observada nos Estados Unidos, onde a safra aumentou 17% em relação ao ano anterior. Também é esperada uma recuperação parcial da produção na América Latina e no Caribe.

Na África Subsaariana, inundações no final do ciclo de cultivo, particularmente nas regiões ocidentais, poderiam limitar o aumento da produção de arroz, eventualmente permanecendo estável em relação ao ano anterior, o que poderia aumentar significativamente as necessidades de importação. Comércio e estoques mundiais Em 2019, o comércio mundial caiu 9%, para 44,2 Mt, ante 48,5 Mt em 2018.

Os principais importadores asiáticos, exceto as Filipinas, reduziram suas demandas de importação. As importações africanas também teriam caído, apontando para 16,7 Mt contra 16,9 Mt em 2018. Em 2020, estima-se que o comércio global deve aumentar ligeiramente 0,8% para 44,5 Mt. Esse aumento beneficiará principalmente a Índia, o principal exportador mundial, com uma forte recuperação em suas vendas externas graças a preços mais competitivos.

Em contrapartida, as exportações tailandesas terão uma queda significativa de 30%, seu nível mais baixo em vinte anos. O Vietnã, cujas vendas também poderiam cair 15%, no entanto, subiria para o segundo lugar como exportador global, superando a Tailândia pela primeira vez.

As primeiras projeções para 2021 indicam uma recuperação significativa no comércio mundial de 7% para 47,6 Mt, ou 3 Mt a mais do que em 2020. Espera-se uma forte demanda de importação de países africanos, em particular Nigéria, Costa do Marfim e Senegal. Espera-se que essa recuperação do comércio mundial beneficie todos os exportadores mundiais, com exceção do Mercosul e dos Estados Unidos. Os estoques globais de arroz no final de 2019 aumentaram 5%, para 185,1 Mt contra 176,4 Mt em 2018, atingindo o maior nível histórico.

Em contrapartida, as estimativas para 2020 indicam uma redução de 1,8% para 181,8 Mt. Essas reservas representam 36% das necessidades globais. Essa redução será vista principalmente na China, mas suas reservas permanecem relativamente altas, correspondendo a 70% do consumo anual. Por outro lado, as reservas dos países exportadores devem ser aumentadas novamente em 2020/2021 para 46 Mt, o equivalente a 30% dos estoques globais.

Em contrapartida, estima-se que os estoques nos países importadores diminuirão, particularmente nos países africanos.


Fonte: Planeta Arroz



1 visualização0 comentário

Política de Privacidade

Endereço:

Rua: Sete de Setembro, 274

Sala CJ 501 Centro - Pelotas/RS
CEP 96015-300

Telefones:

(53) 3225-9330
(53) 3225-6908

(53) 3225-5621

(53) 9811-20578

E-Mail:

Cereagro 2020 -  Todos os direitos reservados